Independentemente do lugar onde você mora, é possível viver em apenas três “lugares”, na zona de conforto, na zona de medo/desconforto ou na zona de perigo.

Nesse artigo vou explicar como você pode identificar se você está na zona de conforto ou não e principalmente como deixar esse lugar, vencer o medo e garantir o seu crescimento pessoal.

Escolher onde você quer viver terá consequências enormes para a sua vida em médio e longo prazo. É possível identificar em que zona você está com apenas três categorias: crescimento pessoal, medo e perigo.

A zona de conforto

A zona de conforto é o lugar onde já estamos habituados, é o lugar onde os desafios já foram superados. A rotina não causa medo ou desconforto. É um lugar “morno”, às vezes monótono, onde sentimos sensação de familiaridade com todos os aspectos de nossa vida. Mas apesar dessas características agradáveis, é o lugar onde não há muito crescimento ou aprendizagem. Quando desejamos permanecer na zona de conforto escolhemos ações que não nos causam medo e evitam sempre todo perigo.

Para deixar a zona de conforto é preciso entender que Medo ≠ Perigo.

Frequentemente vejo as pessoas confundirem medo e perigo. Eles são diferentes e digo mais, são independentes também.

O medo é a emoção, o desconforto subjetivo que sentimos, o perigo é o risco real de termos prejuízos ou perdas. Eles são independentes porque é possível fazer coisas perigosas sem sentir medo, e sentir medo e desconforto fazendo coisas em que não há perigo nenhum. É importante lembrarmos disso para avaliarmos se estamos ou não na zona de conforto. Vou exemplificar a seguir como medo e perigo são diferentes.

Zona de conforto X longo prazo.

E em relação ao tempo? Bem a zona de conforto não contém perigo ou medo, no curto prazo, mas em médio e longo prazo ela é perigosíssima, como é uma zona onde não há crescimento pessoal ou grandes aprendizagens, o risco ao longo do tempo é de ficarmos para traz, nos tornarmos obsoletos, sermos superados, e sermos no futuro, arrancados de nossa zona de conforto, à força, pelas circunstâncias…

Resumindo então na zona de conforto…

  • Há Medo?
    • Não.
  • Há Crescimento?
    • Pouco ou nenhum crescimento.
  • Há Perigo?
    • Não.
  • No longo prazo?
    • Enorme perigo de ser ‘superado’, se tornar ‘obsoleto’, ‘ficar pra traz’.

A zona de medo/desconforto

A zona de medo/desconforto é o estágio seguinte após a zona de conforto, nele existem desafios, e situações que trazem mal estar, medo e desconforto. Quando estamos na zona de medo/desconforto, existe abertura para o “novo”, existem áreas desafiadoras a serem dominadas na nossa rotina, existe por isso aprendizagem e consequentemente, crescimento pessoal. Mas e o perigo, existe? Na zona de desconforto/medo o perigo é pequeno ou inexistente. A única pessoa que se sente ameaçada nesse local é a sua própria mente, porque os desafios que enfrentamos nos obrigam a rever seus conceitos, enfrentar e reformular crenças e formas de “ver” a vida.

No início desse ano experimentei claramente a diferença entre a zona de medo e a zona de perigo. Eu havia começado a estudar sobre investimentos e ia fazer meu primeiro investimento em um CDB de uma corretora. Na hora senti um grande desconforto, eu pensava: “e se eu perder meu dinheiro?” Então decidi reduzir pela metade o valor que iria investir, mas o desconforto não passou. Decidi então reduzir pela metade da metade, ainda sim o desconforto não diminuiu.

Decidi então começar com apenas R$ 50,00. Você acha que nesse momento o medo e o desconforto passaram? Claro que não! Mesmo não havendo risco nenhum, afinal se eu perdesse os R$50,00 isso não iria me causar prejuízos, o medo persistiu. A zona de desconforto/medo é isso, é um desafio para os nossos hábitos, para nossa mente, muitas vezes sem contem perigo nenhum. Na época escolhi permanecer na zona de medo/desconforto, e fiz o investimento, como consequência, depois de duas semanas, investir daquele modo já tinha se tornado trivial, o medo tinha desaparecido.  E isso fez com eu aprendesse muito sobre investimentos, tanto que hoje até faço um trabalho especificamente voltado para finanças, com meus clientes. Qual foi o resultado final em mim? A minha zona de conforto se ampliou.

Resumindo então na zona de desconforto/medo…

  • Há Medo?
    • Sim.
  • Há Crescimento?
    • Sim.
  • Há Perigo?
    • Não, ou existe em proporção muito pequena.
  • No longo prazo:
    • Nos habituamos com os desafios, aprendemos, ficamos mais confiantes em nossas habilidades, com isso o desconforto passa e nossa zona de conforto se amplia.

A zona de perigo.

Na zona de perigo, como o próprio nome sugere, o perigo é presente, e real. São aqueles momentos em que temos que nos arriscar a ter prejuízos. Entramos na zona de perigo muitas vezes em momentos vitais para conseguirmos algumas coisas importantes na vida, as pessoas que desejam empreender, abrir um negócio, em geral tem que passar ou permanecer por algum tempo na zona de perigo, são situações em que temos que nos arriscar para mudar de carreira, abrir uma empresa, ou tomar outras decisões importantes.

A zona de perigo é o local onde há desafiosrisco de perdas e prejuízos reais, crescimento pessoal, mas nem sempre há medo. E porque não há medo? Porque uma consequência de permanecer na zona de medo/desconforto por bastante tempo é aprendermos a confiar em nossas habilidades e em nosso talento. Essa confiança pode fazer o medo diminuir ou desaparecer, mesmo em situações em que há perigo real.

Resumindo então na zona de perigo…

  • Há Medo/desconforto?
    • Pode haver, mas não necessariamente.
  • Há Crescimento?
    • Sim.
  • Há Perigo?
    • Sim, podendo haver perigo de grandes prejuízos.
  • No longo prazo:
    • Enfrentar os riscos pode levar a grandes vitórias e grande crescimento pessoal.

E agora? Para onde eu vou?

Ficar com pelo menos um pé na zona de medo/desconforto, é o mais saudável, porque fará você crescer, se aprimorar, não só como profissional, mas também como pessoa. Em médio e longo prazo você irá certamente crescer muito, galgar níveis mais altos de satisfação com a vida e consigo mesmo.

Se você percebeu que está na zona de conforto e tem encontrado dificuldades de superar o mal estar e dar um passo para fora desse lugar, talvez então você tenha dificuldades de lidar com o desconforto emocional que os desafios trazem.

Se esse é o seu caso, é importante você pensar que uma dose de desconforto é parte da vida, permanecer na zona de conforto só adia esse momento de fazer contato como o mal estar e medo, e em geral torna esse momento mais difícil quando ocorre.

Se você consegue entender a importância de se expor, de aceitar desafios, tentou várias vezes, de formas diferentes mas ainda não consegui tomar uma atitude, então é possível que crenças mais profundas possam ser a causa desse problema.

Crenças desse tipo não são em geral modificadas com metodologias superficiais. Nesses casos é importante procurar um psicólogo competente. Como terapeuta tenho grande experiência, e conhecimento e atuo com terapia cognitiva comportamental, uma das abordagens mais eficientes para ajudar as pessoas com dificuldades desse tipo. Se você tiver problemas quanto a localização é possível solicitar atendimento por Skype.

Entre em contato pelo email contato@danielvignoli.com ou telefone pelo telefone: 32 99124-0039.

E para se manter fora da zona de conforto pergunte-se a sí mesmo de tempos em tempos, o que estou fazendo de desafiador, na minha vida pessoal, emocional e profissional? Se a resposta for “nada” para as três perguntas, cuidado, você pode estar na zona de conforto.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no email
Email

Comente